Assim como nós perdoamos


Publicado 13/10/2020 09:48

Mensagem do Dia

Disponível também em:


Você perdoaria uma traição amorosa? Perdoaria uma demissão injusta? Perdoaria um amigo que te insultou? Fui preparada para responder essas perguntas na estreia da nova temporada do programa Potter Entrevista, que tinha o perdão como tema. E, durante o papo, minha inclinação foi para o “sim”, mesmo correndo o risco de ganhar o troféu Água com Açúcar 2020.
Perdoar me parece um verbo arrogante. Deus perdoa, Papas idem, padres também – simples mortais passam uma borracha no assunto. É o que faço, agora que sou uma mulher madura, que não desperdiça mais energia com as obstruções que encontra pelo caminho. Parei de usar este verbo, perdoar, desde que, poucos anos atrás, tive oportunidade de conversar com Nelson Motta: fiquei encantada com a doçura, a leveza, a jovialidade daquele guri, na véspera de completar 70 anos. Qual o segredo? perguntei. “Não guardo rancor”.
É isso. Não guardar rancor é o mesmo que perdoar, só que sem a pompa. Ninguém precisa ajoelhar na nossa frente, nem rogar por nada. A gente simplesmente deixa pra lá e toca a vida. Não é a coisa mais fácil do mundo, antes é preciso deglutir a pancada, mas há um limite de tempo para essa ruminação, caso contrário, envelhecemos arrastando correntes.
A medida do imperdoável é sempre a intensidade da dor. Quando somos jovens, tudo dói mais. Ainda nos sentimos especiais, mimados, e ai de quem ferir nossos sentimentos. Até que a gente amadurece e se dá conta que mágoas e afins estão na categoria “coisas que acontecem”. Ninguém gosta de se sentir ofendido, mas alimentar a raiva é mau negócio: tudo que fica retido dentro da gente acaba nos implodindo de alguma forma. Poema de Vera Americano: “Perdão/duro rito/de remoção do estorvo”.
Já me aprontaram. Pessoas próximas, outras nem tanto. E daí? Estou mais preocupada em viver bem, tarefa que toma boa parte do meu tempo. Não sobra para dar cartaz aos vacilões.
Crime é outra coisa, a pessoa tem que se ver com a Justiça. E se mexerem com minhas filhas, esqueça tanta benevolência, viro uma leoa, saio da toca faminta pela jugular de quem se atrever. Mas guardar rancor durante décadas por ter sido frustrada, negligenciada ou algo do tipo? É dar muita trela para nosso ego: ele é péssimo em dimensionar revezes, faz tudo parecer maior do que é.
Outro dia um amigo disse algo muito sábio: a maioria das pessoas agressivas não são más, são apenas infelizes. “Apenas” infelizes. Então, misericórdia. Pragueje um pouco e depois esqueça a afronta, pois o castigo delas começou bem antes de terem cruzado com você.









RADIO ARAUTO FM - VERA CRUZ
(51) 3718-3800 (estúdio)
(51) 3718-3400 (comercial)
Rua Jacob Blész, 38 - Vera Cruz - RS
Caixa Postal 58 - CEP: 96880-000
RADIO ARAUTO FM - SANTA CRUZ DO SUL
(51) 2109-0066 (recepção)
Rua Venâncio Aires, esq. Galvão Costa, nº 5
Santa Cruz do Sul - CEP: 96810-204
Copyright © 2017 Rádio Arauto FM - www.arautofm.com.br DB New